Tamanho da fonte: Diminui fonte Aumenta fonte

Terapia Ocupacional

Aperfeiçoamento Prático Profissional Terapia Ocupacional 2011

O Serviço de Terapia Ocupacional do Hospital das Clinicas de Ribeirão Preto junto ao Instituto de Reabilitação Lucy Montoro, está abrindo inscrições para Aperfeiçoamento Profissional não remunerado em Terapia Ocupacional.

 O Aperfeiçoamento tem duração de seis (6) meses, com carga horária de 20 horas semanais (segunda-feira a sexta-feira). Ao final do programa haverá Trabalho de conclusão do Aperfeiçoamento.

 Os candidatos deverão comparecer munidos com cópia de documento de identidade com foto e Currículo Lattes.

 O candidato dever ser graduado em Terapia Ocupacional, com apresentação do CREFITO regulamentado ou certificado de conclusão do curso.

 O período de inscrição é de 03 a 10 de janeiro. A ficha de inscrição deverá ser encaminhada para o e-mail: tcarvalho@hcrp.usp.br. As provas serão realizadas no Instituto de Reabilitação Lucy Montoro.

As áreas contempladas serão:
 

ÁREAS

VAGAS

      PROVA

 

HORÁRIO

Enfermarias Psiquiátricas

2

24/01/2011

09:00 h

Enfermarias Pediátricas - Campus e Unidade de Emergência

3

24/01/2011

09:00 h

Enfermaria de TMO

1

24/01/2011

09:00 h

Saúde Mental - Ambulatório e Oficina Terapêutica

2

24/01/2011

09:00 h

Reabilitação TRM e Amputados

1

24/01/2011

09:00 h

Reabilitação Gerontologia e Reabilitação Visual

4

24/01/2011

09:00 h

Reabilitação Neurologia  Adulto

2

24/01/2011

09:00 h

Neuropediatria e reabilitação visual

6

24/01/2011

09:00 h

Reabilitação Neurocomportamental

1

24/01/2011

09:00 h


FICHA  DE  INSCRIÇÃO


Nome:                               

Nasc:       /       /

Endereço:

Cidade:

CEP:

e-mail:

Fone:

IE Graduação:

Data:      /         /

Aperfeiçoamento



TERAPIA OCUPACIONAL EM SAÚDE MENTAL - ENFERMARIAS PSIQUIÁTRICAS


Locais de atuação:

Enfermarias de Internação Psiquiátrica - Campus
AREP - Ambulatório de Reabilitação Psicossocial
População atendida: adolescentes, adultos e idosos (a partir de 12 anos), com quadro de transtorno psiquiátrico grave e comorbidades clínicas.


Objetivo:

Aprofundar o conhecimento teórico-prático de Terapia Ocupacional em Saúde Mental e aperfeiçoar a prática profissional através da vivência prática e clínica supervisionada

Programa


-   Ênfase na formação clínica, no trabalho em equipe multiprofissional, na utilização de bases e métodos de avaliação, registro, elaboração diagnóstica, estratégias de intervenção e das ações de Terapia Ocupacional em Saúde Mental:

atendimentos individuais;
coordenação de grupos;
participação em atividades multidisciplinares;
reuniões clínicas;
discussão de casos;
reuniões de equipe;
reuniões de familiares;
supervisões teóricas-práticas;
seminários teóricos: políticas públicas de saúde mental, terapia ocupacional em saúde mental, psicopatologia e abordagens psicoteráticas.
 

Referências


BENETTON, J. "Trilhas Associativas: ampliando recursos na clínica da psicose"
São Paulo, Lemos Editorial, 1991.


CADERNOS DE TERAPIA OCUPACIONAL UFSCAR. Relato de experiência: Coordenação de Grupos de Terapia Ocupacional em Enfermaria Psiquiátrica. Vol.18, nº 2, 2010.


COCENAS, S.A.; MARQUES, J.M.A. Princípios Básicos e Operacionalização do Funcionamento Atual do Serviço de Terapia Ocupacional da Enfermaria de Psiquiatria. In: UCHÔA-FIGUEIREDO, L.R; NEGRINI S.F.B.M.. (ORG.). Terapia Ocupacional: Diferentes Práticas em Hospital Geral. 1ª ed. Cap. 11. Ribeirão Preto: Legis Summa Ltda, 2009.p. 157 - 168.


GABBARD, G.O. - Psiquiatria Psicodinâmica na Prática Clínica. Porto Alegre,
Artes Médicas, 1992.


MAXIMINO, V. S. . Grupo de atividades com pacientes psicóticos. 1. ed. São José dos Campos: UNIVAP, 2001.


ZIMERMAN DE et al. Como trabalhamos com Grupos. Porto Alegre: Artes Médicas;
1997.



ENFERMARIAS PEDIÁTRICAS CAMPUS E UNIDADE DE EMERGÊNCIA


Locais de atuação:

Enfermaria de pediatria (isolamento protetor, enfermaria de pediatria geral, unidade de terapia renal infantil, centro de terapia intensiva pediátrico); enfermaria de neurologia infantil; enfermaria de cirurgia pediátrica), Enfermaria da UE

Clínicas atendidas: oncologia, neurologia, nefrologia, cirurgia, pneumologia, gastroenterologia, reumatologia, endocrinologia.


Objetivos

Aprofundar os conhecimentos teóricos e aprimorar a prática clínica em Terapia Ocupacional Hospitalar, especificamente na infância e adolescência.

Trabalhar em conjunto com os demais profissionais de saúde, estimulando o desenvolvimento infantil e favorecendo o desempenho ocupacional da criança/adolescente hospitalizado. Colaborar para minimizar complicações decorrentes do adoecimento, assim como o impacto negativo que a internação possa trazer para a criança/adolescente e sua família; contribuir para a manutenção da qualidade de vida; favorecer o enfrentamento do processo de terminalidade.


Ações do Terapeuta Ocupacional na Enfermaria de Pediatria

l        Avaliação e identificação de demandas;

l        Avaliações pré e pós-cirúrgicas;

l        Atendimentos individuais e grupais das crianças e adolescentes;

l        Acompanhamento dos pacientes e cuidadores desde a admissão hospitalar até a alta ou óbito;

l        Atendimentos de cuidadores;

l        Discussão de casos com os demais profissionais da equipe;

l        Participação de reunião de equipe (visita clínica);

l        Registros em prontuário;

l        Organização, higienização e gestão de materiais;

l        Encaminhamentos para outros profissionais do Hospital ou para a cidade de origem;

l        Articulação com rede de apoio.



Referências Bibliográficas


BEE, H. A Criança em Desenvolvimento. 9. ed. Porto Alegre: Artmed, 2003. 612 p.


BIANCHINI, M. M.; CARRERA, A. S. Desarrollo de Terapia Ocupacional en Oncología Pediátrica: experiencia del Hospital de Niños. Rev. Hosp. Niños B. Aires, v. 49, n. 225, p. 279-291, 2007


DE CARLO, M. M. R. P.; LUZO, M. C. M. (Orgs.) Terapia Ocupacional: reabilitação física e contextos hospitalares. São Paulo: Roca, 2004.


GRIGOLATTO, T. et al. Intervenção Terapêutica Ocupacional em CTI Pediátrico: um estudo de caso. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, v. 16, n. 1, p.37-46, 2008.


HIRSCHHEIMER, M. R. et al. O trabalho da terapia ocupacional na pediatria. Rev. Paul. Pediatr., v. 19, n. 4, p. 187-194, 2001.


PEDROSA, A. M. et al. Diversão em Movimento: um projeto lúdico para crianças hospitalizadas no Serviço de Oncologia Pediátrica do Instituto Materno Infantil Prof. Fernando Figueira, IMIP. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., v. 7, n. 1, p. 99-106, 2007.


PFEIFER, L. I.; MITRE, R. M. A. Terapia ocupacional, dor e cuidados paliativos na atenção à infância. In: DE CARLO, M. M. R. P.; QUEIROZ, M. E. G. Dor e Cuidados Paliativos - Terapia ocupacional e interdisciplinaridade. São Paulo: Roca, 2007. p. 258-287.


VASCONCELOS, R. F.; ALBUQUERQUE, V. B.; COSTA, M. L. G. Reflexões da Clínica Terapêutica Ocupacional Junto à Criança com Câncer na Vigência da Quimioterapia. Revista Brasileira de Cancerologia, v. 52, n. 2, p. 129-137, 2006.



TERAPIA OCUPACIONAL NO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA (TMO):


I- FUNCIONAMENTO DO TMO

a.Organização das rotinas hospitalares;

b. Relações dentro da equipe multiprofissional;

c. Familiares e acompanhantes.


II- TERAPIA OCUPACIONAL NO TMO

a.Atendimento de urgência;

b. Atendimento breve e focal;

c. Especificidade dos materiais no processo terapêutico-ocupacional;

d. Manejo da participação da equipe e familiares.


III- AÇÕES DO TERAPEUTA OCUPACIONAL NO TMO

a.Avaliações;

b.Diagnósticos ocupacional;

c.Modalidades de intervenções da alta ao óbito (enfermaria, isolamento, hospital-dia, casa de apoio e ambulatório);

d. Evolução em prontuário clínico;

e. Condutas e processo de alta;

f. Acompanhamento ao paciente terminal até o óbito.



Referências Bibliográficas:


MASTROPIETRO, A. P. Implantação de um serviço de terapia ocupacional em uma unidade de transplante de medula óssea. Revista do Centro de Estudos de Terapia Ocupacional, São Paulo, vol. 6, p.14-19, 2001.


MASTROPIETRO, A. P. Reconstrução do cotidiano de pacientes submetidos ao transplante de medula óssea: readaptação funcional e reinserção ocupacional. 2003. 215p. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.


MASTROPIETRO, A. P. Um estudo correlacional entre qualidade de vida e variáveis clínicas e sócio-demográficas de pacientes sobreviventes ao transplante de medula óssea. 2007. 159p. Tese (Doutorado) - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.


MASTROPIETRO, A. P.; OLIVEIRA, E. A.; SANTOS, M. A. Intervenções do terapeuta ocupacional em um caso de terminalidade: associações finais. Revista do Centro de Estudos de Terapia Ocupacional, São Paulo, vol. 9, p.18-28, 2005


MASTROPIETRO, A. P.; OLIVEIRA, E. A.; SANTOS, M. A. VOLTARELLI, J. C. Functional Assessment of cancer therapy bone marrow transplantation: tradução e validação. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 41, n. 2, p. 260-268, 2007


MASTROPIETRO, A. P.; SANTOS, M. A.; OLIVEIRA, E. A. Sobreviventes do transplante de medula óssea: construção do cotidiano. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, vol. 17, n. 2, p. 64-71, maio/ago. 2006.


OLIVEIRA, E. A.; SANTOS, M. A.; MASTROPIETRO, A. P. Oficinas terapêuticas: uma possibilidade de intervenção em saúde mental. In: SIMON, C. P.; MELO-SILVA, L.; SANTOS, M. A. (orgs.). Formação em Psicologia: desafios da diversidade na pesquisa e na prática. São Paulo: Vetor, p. 369-378, 2005.


HAMERSCHLAK, N.; RODRIGUES, M.; DA Moraes ; MC Oliveira ; ABPL Stracieri; F Pieroni ; GMN Barros ; MIA Madeira ; BP Simoes ; AA Barreira ; DG Brum ; AAF Ribeiro ; JM Kutner ; RK Burt ; CARDOSO-OLIVEIRA, E. A.; MASTOPIETRO, A. P. ; VOLTARELLI, J. C.. Brazilian experience with two conditioning regimens in patients with multiple sclerosis: BEAM/horse ATG and CY/rabbit ATG. Bone Marrow Transplantation (Basingstoke), v. 45, p. 239-248, 2010.


CARDOSO-OLIVEIRA, E. A.; MASTOPIETRO, A. P.; VOLTARELLI, J. C.; SANTOS, Manoel Antonio dos. Qualidade de Vida de Sobreviventes do Transplante de Medula Óssea (TMO): Um Estudo Prospectivo.. Psicologia: Teoria e Pesquisa (UnB. Impresso), v. 25, p. 621-628, 2009.


MASTROPIETRO, Ana Paula; CARDOSO-OLIVEIRA, E. A.; SANTOS, Manoel Antônio dos. Uma proposta de intervenção em saúde mental para pacientes submetidos ao Transplante de Medula Óssea. Claretiano (Batatais), Batatais, v. 4, p. 157-164, 2004.


CARDOSO-OLIVEIRA, E. A. ; MASTROPIETRO, Ana Paula ; BUENO, C. ; Picini, V.S. ; SANTOS, Manoel Antonio dos ; VOLTARELLI, J. C. . Grupo de apoio ao familiar do transplantado de medula óssea. . Revista da Sapgesp, v. 04, p. 52-63, 2003.


CARDOSO-OLIVEIRA, E. A.; MASTROPIETRO, Ana Paula; SANTOS, Manoel Antônio dos . Reiserção profissional de pacientes submetidos ao Transplante de Medula Óssea. Claretiano (Batatais), Batatais, v. 3, p. 139-145, 2003.


MASTROPIETRO, A. P.; OLIVEIRA, E. A.; SANTOS, M. A. Clínica da terminalidade. Revista do Centro de Estudos de Terapia Ocupacional, v. 11, 2008, p.38-42.



TERAPIA OCUPACIONAL EM SAÚDE MENTAL AMBULATORIAL


Locais de atuação: Ambulatórios de Terapia Ocupacional em Saúde Mental nas unidades:

·         Hospital das Clinicas Campus,

·         Centro de Saúde Escola,

·         Oficina de Participação Social (OPASSO)

Objetivo:

·         Aprofundar o conhecimento teórico-prático de Terapia Ocupacional em Saúde Mental e dos princípios éticos que norteiam a pratica profissional nos ciclos de vida: adulto e velhice através da vivência prática e clínica supervisionada.

·          Ênfase na formação clínica, no trabalho em equipe, na utilização de bases e métodos de avaliação, registro, elaboração diagnostica, estratégias de intervenção e das ações propostas em Terapia Ocupacional nos diversos níveis de atenção a saúde mental, individual e em grupo.


Programa:

·          Intervenções individuais e grupais,

·         acolhimento

·         orientação a familiares e cuidadores

·         supervisões teórico-práticas.


Principais abordagens:

·         terapia ocupacional em saúde mental,

·         políticas públicas de saúde mental,

·         psicopatologia e abordagens psicoterápicas.




Referêcias bibliográficas:


-          Botega, N. J.; Dalgalarrondo, P. Saúde mental em Hospital Geral: espaço para o psíquico. São Paulo: Editora Hucitec, 1997.

-          Cadernos de Terapia Ocupacional da Universidade Federal de São Carlos - UFSCar. São Carlos.

-          Carlos, M M R do P De (org) Terapia Ocupacional no Brasil - Fundamentos e Perspectivas. São Paulo: Plexus, 2001.

-          Kaplan, H.; Sadock, B.; Grebb, J. Compêndio de Psiquiatria: ciência, comportamento e psiquiatria clínica. 9a Edição, Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

-          Maximino, V Grupo de Atividade com Pacientes Psicóticos. São José dos Campos: UNIVAP, 2001.

-          Mello, M. F. de; Mello, A. de A. F.; Kohn, R. (orgs). Epidemiologia da Saúde Mental no Brasil. Porto Alegre: Ed. Artmed, 2007.

-          Melman, J. Família e Doença Mental: repensando a relação entre profissionais de saúde e familiares. São Paulo: Escrituras Editora, 2007.

-          Organização Mundial de Saúde - CID 10 - Classificação de Transtornos Psiquiátricos e de Comportamentos: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre, Artes Médicas, 1993.

-          Pichon-Riviére, E. O processo Grupal. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

-          Revista do Centro de Estudos de Terapia Ocupacional - CETO. São Paulo.

-          Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo. USP. São Paulo.

-          Uchôa-Figueiredo, L. da Rocha; Negrini, S. F. B. de Moura. Terapia ocupacional: Diferentes práticas em Hospital Geral. Ribeirão Preto: Ed. Legis Summa, 2009. Cap. 02, 09 e 13.

-          Zuardi, A. W.; Loureiro, S. R. Semiologia Clinica - Revista Medicina Ribeirão Preto 29: pág. de 44 a 53, jan/mar. 1996.



 TERAPIA OCUPACIONAL EM TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR E AMPUTADOS - IRLM



OBJETIVO:

·          complementar,

·          atualizar e aperfeiçoar conhecimentos através da vivência prática, clínica supervisionada e de conteúdo teórico reflexivo de profissionais graduados.

·          Enfatiza a formação clínica e o trabalho em equipe multiprofissional.

·          Objetiva a participação em trabalho acadêmico de pesquisa e elaboração de texto.

·         Trabalhar em conjunto com os demais profissionais de saúde, estimulando e favorecendo o desempenho ocupacional.


Referência bibliográfica:


TROMBLY, C. A;  SCHLECHT, B. B. G. (Trad.). Terapia ocupacional para disfunções físicas. Traduzido do original: OCCUPATIONAL THERAPY FOR PHYSICAL DYSFUNCTION. 5ª. São Paulo: Santos, 2005.


NEISTADT, M.E. (Org.); ARAÚJO, C.L.C.(Trad.) et al. Willard & Spackman - Terapia Ocupacional. Traduzido do original: Willard & Spackman's Occupational Therapy. 9ª. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.


DE CARLO, M. M. R. P.; LUZO, M. C. M. (Orgs.) Terapia Ocupacional: reabilitação física e contextos hospitalares. São Paulo: Roca, 2004.



TERAPIA OCUPACIONAL EM GERIATRIA AMBULATORIAL E ENFERMARIAS


Objetivo:

Aprofundar o conhecimento teórico-prático de Terapia Ocupacional no processo de reabilitação no envelhecimento do idoso, visando autonomia, independência em sua AVD¿s e AIVD¿s, uso de recurso da tecnologia assistiva, através de uma vivência prática e clínica supervisionada.

Ênfase na formação clínica, no trabalho em equipe, na utilização de bases e métodos de avaliação, registro, elaboração diagnostica estratégias de intervenção e das ações propostas em Terapia Ocupacional nos diversos níveis de atenção ambulatorial. Além de desenvolver programas de ação multi e interdisciplinar nos diferentes níveis de assistência ambulatorial. Caracterizar a formação profissional em saúde em uma perspectiva interdisciplinar, favorecendo o desenvolvimento de pesquisa no âmbito ambulatorial.


Programa:

Triagem com paciente e/ ou cuidador;
Entrevista inicial e Anamnese com paciente e/ ou cuidador;
 Avaliação Gerontólica (motor, cognitivo, linguagem, psicossocial, habilidades manuais, perceptivo, atividade de vida diária, atividades instrumentais de vida diária e sociabilidade);
análise da atividade;
plano de tratamento (objetivos: motores, cognitivos, linguagem, psicossocial, habilidades manuais, atividades de vida diária, orientação familiar, estratégias e atividades);
visita domiciliar;
orientação ao cuidador;
orientação familiar;
 discussão de caso em equipe multidisciplinar;
evolução diária;
encaminhamentos;
processo de alta; alta;
atendimento individual;
atendimento grupal;
 devolutivas as pacientes/cuidadores;
supervisão.
Atuação na promoção, prevenção de saúde; visita domiciliar; intervenções grupais e individuais;
triagem/orientações em ambulatórios multidisciplinares.
 



Referências:



. NEISTADT, M.E. (Org.); ARAÚJO, C.L.C.(Trad.) et al. Willard & Spackman - Terapia Ocupacional. Traduzido do original: Willard & Spackman's Occupational Therapy. 9ª. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. 859 p.




TROMBLY, C. A;  SCHLECHT, B. B. G. (Trad.). Terapia ocupacional para disfunções físicas. Traduzido do original: OCCUPATIONAL THERAPY FOR PHYSICAL DYSFUNCTION. 5ª. São Paulo: Santos, 2005. 1157 p.


FREITAS, E. V. (Org.). Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. 1187 p.


FIGUEIREDO-UCHÔA, L.R; NEGRINI, S.F.B.M. (Org). Terapia Ocupacional. Diferentes Práticas em Hospital Geral. Ribeirão Preto.S.P, Legis Summa, 2009. 306p.




TERAPIA OCUPACIONAL EM BAIXA VISÃO AMBULATORIAL


Objetivo:

Aprofundar o conhecimento teórico-prático de Terapia Ocupacional no processo de reabilitação do paciente com baixa visão ou deficiência visual total, visando autonomia, independência em sua AVD¿s e AIVD¿s, uso de recurso da tecnologia assistiva, através de uma vivência prática e clínica supervisionada.

Ênfase na formação clínica, no trabalho em equipe, na utilização de bases e métodos de avaliação, registro, elaboração diagnostica estratégias de intervenção e das ações propostas em Terapia Ocupacional nos diversos níveis de atenção ambulatorial. Além de desenvolver programas de ação multi e interdisciplinar nos diferentes níveis de assistência ambulatorial. Caracterizar a formação profissional em saúde em uma perspectiva interdisciplinar, favorecendo o desenvolvimento de pesquisa no âmbito ambulatorial.


Programa:

Triagem com paciente e/ ou cuidador;
Entrevista inicial e Anamnese com paciente e/ ou cuidador;
 Avaliação Global do paciente com baixa visão/deficiente visual (motor, cognitivo, linguagem, psicossocial, habilidades manuais, perceptivo, atividade de vida diária, atividades instrumentais de vida diária e sociabilidade);
análise da atividade;
plano de tratamento (objetivos: motores, cognitivos, linguagem, psicossocial, habilidades manuais, atividades de vida diária, orientação familiar, estratégias e atividades);
visita domiciliar;
orientação ao cuidador;
orientação familiar;
 discussão de caso em equipe multidisciplinar;
evolução diária;
encaminhamentos;
processo de alta; alta;
atendimento individual;
atendimento grupal;
 devolutivas as pacientes/cuidadores;
supervisão.
Atuação na promoção, prevenção de saúde; visita domiciliar; intervenções grupais e individuais;
triagem/orientações em ambulatórios multidisciplinares.
 



Referências:



. NEISTADT, M.E. (Org.); ARAÚJO, C.L.C.(Trad.) et al. Willard & Spackman - Terapia Ocupacional. Traduzido do original: Willard & Spackman's Occupational Therapy. 9ª. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. 859 p.




TROMBLY, C. A;  SCHLECHT, B. B. G. (Trad.). Terapia ocupacional para disfunções físicas. Traduzido do original: OCCUPATIONAL THERAPY FOR PHYSICAL DYSFUNCTION. 5ª. São Paulo: Santos, 2005. 1157 p.


MONTILHA, R.C.I. Revisão: Visão Subnormal e a abordagem da terapia ocupacional. Revista Brasileira de Medicina Pediatrica Moderna. Sinopse Oftalmol, 2001, p. 22-24.



BRUNO, M. M. G.O desenvolvimento integral do portador de deficiência visual. São Paulo: LARAMARA - NEWSWORK, 1993.


BRUNO, M. M. G. Deficiência visual. São Paulo: LARAMARA, 1997.

FINGER, J. A. Terapia ocupacional.São Paulo: Sarvier, 1986.

HAGEDORN, R. Fundamentos da prática de terapia ocupacional. São Paulo: Dynamis Editorial, 1999.

MASINI, E. F. O perceber e o relacionar-se do deficiente visual.Brasília: Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, 1994.
 


MOTTA, M, P.  Atividades da vida diária: importante instrumento na habilitação do deficiente visual. Site: http://www.casadato.com.br/



TERAPIA OCUPACIONAL EM NEUROLOGIA ADULTO AMBULATORIAL - IRLM



Objetivos

Aprofundar os conhecimentos teóricos e aprimorar a prática clínica em Terapia Ocupacional Neurológica Ambulatorial. Realizar avaliações, orientações, visitas domiciliares e atendimento multiprofissional ao paciente em seguimento no Instituto de Reabilitação Lucy Montoro. Promover reabilitação física, cognitiva, ocupacional e social dos indivíduos, minimizar complicações decorrentes do adoecimento e contribuir para a manutenção da qualidade de vida.


Ações do Terapeuta Ocupacional no Ambulatório de Neurologia Adulto

l        Avaliação e identificação de demandas;

l        Avaliações pré e pós aplicação de Toxina Botulínica;

l        Atendimentos individuais e grupais;

l        Atendimentos Multidisciplinares

l        Avaliação e confecção de órteses;

l        Atendimentos de cuidadores;

l        Discussão de casos com os demais profissionais da equipe;

l        Participação de reunião de equipe;

l        Registros em prontuário;

l        Supervisão teórico-prática

l        Seminário de conteúdo teórico

l        Trabalho de conclusão do Aperfeiçoamento

l        Organização, higienização e gestão de materiais;

l        Encaminhamentos para outros profissionais do Hospital ou para a cidade de origem;

l        Articulação com rede de apoio.



Referências Bibliográficas


NEISTADT, M.E. (Org.); ARAÚJO, C.L.C.(Trad.) et al. Willard & Spackman - Terapia Ocupacional. Traduzido do original: Willard & Spackman's Occupational Therapy. 9ª. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. 859 p.



DE CARLO, M. M. R. P.; LUZO, M. C. M. (Orgs.) Terapia Ocupacional: reabilitação física e contextos hospitalares. São Paulo: Roca, 2004.


TROMBLY, C. A;  SCHLECHT, B. B. G. (Trad.). Terapia ocupacional para disfunções físicas. Traduzido do original: OCCUPATIONAL THERAPY FOR PHYSICAL DYSFUNCTION. 5ª. São Paulo: Santos, 2005. 1157 p.


DAVIES, P. M. Passos a Seguir. Um manual para o tratamento da hemiplegia no adulto. Manole, 1996, 350p


 REIS, G. S. ; SANTANA, C. S. . A Atuação da Terapia Ocupacional Ambulatorial na área de Neurologia Adulto. In: Silvia Biason de Moura Negrini, Lucia Uchoa Figueiredo. (Org.). Terapia Ocupacional Diferentes Práticas em Hospital Geral. 1 ed. Ribeirão Preto: Legis Summa, 2009, v. 1, p. 265-277


GRIEVE, J.; BUCKUP, Hildegard T. (Trad.). Neuropsicologia em terapia ocupacional: exame da percepção e cognição. Traduzido do original: NEUROPSYCHOLOGY FOR OCCUPATIONAL THERAPISTS - ASSESSMENT OF PERCEPTION AND COGNITION. 2ª ed São Paulo: Ed.Santos, 2005. 165 p.



TERAPIA OCUPACIONAL EM NEUROPEDIATRIA E REABILITAÇÃO VISUAL INFANTIL AMBULATORIAL  -  IRLM


Objetivo:

Aprofundar o conhecimento teórico-prático de Terapia Ocupacional em desordens do desenvolvimento infantil através de uma vivência prática e clínica supervisionada.

Ênfase na formação clínica, no trabalho em equipe, na utilização de bases e métodos de avaliação, registro, elaboração diagnostica estratégias de intervenção e das ações propostas em Terapia Ocupacional nos diversos níveis de atenção ambulatorial. Além de desenvolver programas de ação multi e interdisciplinar nos diferentes níveis de assistência ambulatorial. Caracterizar a formação profissional em saúde em uma perspectiva interdisciplinar, favorecendo o desenvolvimento de pesquisa no âmbito ambulatorial.




Programa:

Triagem com paciente e/ ou cuidador;
 Entrevista inicial e Anamnese com paciente e/ ou cuidador;
Avaliação Global (motor, cognitivo, linguagem, psicossocial, habilidades manuais, perceptivo, cotidiano, atividade de vida diária, atividades de vida prática, atividades instrumentais de vida diária e sociabilidade);
análise da atividade; plano de tratamento (objetivos: motores, cognitivos, linguagem, psicossocial, habilidades manuais, atividades de vida diária, orientação familiar, estratégias e atividades);
visita escolar;
orientação escolar;
inclusão escolar;
orientação familiar;
discussão de caso em equipe multidisciplinar;
evolução diaria;
encaminhamentos; processo de alta; alta;
 atendimento individual;
atendimento grupal;
devolutivas as pacientes/cuidadores;
supervisão.
Atuação na promoção, prevenção de saúde; visita domiciliar; intervenções grupais e individuais;
 triagem/orientações em ambulatórios multidisciplinares.
 


Referências



Teixeira, E. et al.. Terapia Ocupacional na reabilitação física. Associação Apoio a Criança -  Deficiente São Paulo: Roca,2003, 571p.


Figueiredo,L.R.U;  Negrini,S.B.M.(org). Terapia Ocupacional: Diferentes praticas em hospital geral. Ribeirão Preto: Legis Summa,2009.305p.


Lima,C.L.F.A ; Fonseca,L.F. Paralisa Cerebral: Neurologia, Ortopedia, e Reabilitação. Rio de janeiro: Guanabara Koogan,  2004, 492p. 


Nobre, M.I.R.S. A Terapia Ocupacional na reabilitação de crianças com baixa visão. Pediatria: São Paulo. 2007;29(3):237-240.


Cavalcanti,A ; Galvão,C. Terapia Ocupacional: Fundamentação & Pratica- Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2007.


Neistadt, M.E.; Crepeau, E.B. Terapia Ocupacional.- Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.9º ed.2002.Tradução: Willard  & Spackman.



TERAPIA OCUPACIONAL EM NEUROLOGIA COMPORTAMENTAL AMBULATORIAL - IRLM


OBJETIVO: complementar, atualizar e aperfeiçoar conhecimentos através da vivência prática, clínica supervisionada e de conteúdo teórico reflexivo de profissionais graduados. Enfatiza a formação clínica e o trabalho em equipe multiprofissional.

PROGRAMA


·         Prática de avaliação e tratamento terapêutico ocupacional individual e em grupo.


·         Participação em atividades multidisciplinares.


·         Reunião de familiares


·         Visita domiciliar


·         Supervisão teórico-prática


·         Seminário de conteúdo teórico.


CONTEÚDO


1.      Principais desordens das áreas, componentes e contextos do desempenho ocupacional decorrentes de danos do Sistema Nervoso Central.

2.      Modelos de Terapia ocupacional.

3.      Raciocínio clínico.

4.      Desordens e tratamento dos processos mentais

5.      Reabilitação cognitiva


REFERÊNCIAS


NEISTADT, M.E. (Org.); ARAÚJO, C.L.C.(Trad.) et al. Willard & Spackman - Terapia Ocupacional. Traduzido do original: Willard & Spackman's Occupational Therapy. 9ª. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. 859 p.


TROMBLY, C. A;  SCHLECHT, B. B. G. (Trad.). Terapia ocupacional para disfunções físicas. Traduzido do original: OCCUPATIONAL THERAPY FOR PHYSICAL DYSFUNCTION. 5ª. São Paulo: Santos, 2005. 1157 p.


FREITAS, E. V. (Org.). Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. 1187 p.


GRIEVE, J.; BUCKUP, Hildegard T. (Trad.). Neuropsicologia em terapia ocupacional: exame da percepção e cognição. Traduzido do original: NEUROPSYCHOLOGY FOR OCCUPATIONAL THERAPISTS - ASSESSMENT OF PERCEPTION AND COGNITION. 2ª ed São Paulo: Ed.Santos, 2005. 165 p.



NITRINI, RICARDO, CARAMELLI, PAULO, MANSUR, LETÍCIA L (editores). Neuropsicologia: das bases anatômicas à reabilitação. São Paulo, 1996: Clínica Neurológica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, 1996. 373 p.


Revista Qualidade HC 2012

3ª edição da Revista Qualidade

saiba mais

Controle Infecção Hospitalar

Vídeo aborda as principais indicações e métodos ...

saiba mais