09/ago/2019
ANÁLISE DO MOVIMENTO
Exames de Análise do Movimento
O Laboratório de Análise do Movimento (LAM) é um espaço destinado ao estudo do movimento humano e iniciou suas atividades em outubro de 2010. O LAM conta com oito câmeras de alta velocidade de registro de imagens que, após seu processamento, reconstrói em computador o movimento humano de interesse, possibilitando verificar alterações, auxiliar na indicação de uma intervenção fisioterapêutica, colocação de órteses, bloqueio químico e/ou procedimentos cirúrgicos e acompanhar a evolução das patologias. Além das câmeras, o LAM possui duas plataformas de força que registram as forças de reação ao solo durante a marcha ou em tarefas funcionais e um sistema de análise eletromiográfica cuja finalidade é avaliar a atividade muscular durante o movimento.

Algumas patologias se beneficiam com o Laboratório de Marcha:
- Paralisia Cerebral;
- Distúrbio do movimento após Acidente Vascular Cerebral ou Traumatismo Cranioencefálico;
- Doenças neuromusculares;
- Mielomeningocele;
- Amputados em uso de próteses nos membros inferiores;
- Pacientes ortopédicos com lesão em membro inferiores.

Para realização do exame de análise do movimento, o paciente precisa:
- Ter no mínimo 4 anos de idade;
- Conseguir dar 10 passos consecutivos (com ou sem assistência);
- Atender ordens simples;
- Tolerar a colocação de marcadores e eletrodos adesivos na pele.

O processo começa com um exame físico detalhado ortopédico e neuromuscular do paciente, tomada de medidas antropométricas (como peso e altura) e a colocação de marcadores e/ou eletrodos na pele e a obtenção do registro computadorizado de dados. Além disso, é realizada a filmagem do paciente nos planos sagital e coronal.

Se o paciente utiliza auxiliares de marcha, podemos obter os dados com e sem eles. O tempo do exame varia de acordo com a colaboração do paciente e sua incapacidade funcional, podendo ter duração de 2 a 4 horas. A interpretação dos dados e elaboração do laudo é feita posteriormente pela equipe do laboratório.

É importante que o profissional que solicite o exame faça um breve resumo clínico do caso, com descrição dos tratamentos previamente realizados e a formulação das questões à qual o exame vai responder.